Facchini

IVECO

Volare W Fly: nascido para voar

A Volare foi buscar inspiração nos automóveis para lançar a sua nova linha de micro-ônibus W Fly apresentada para o mercado nacional.Ela é composta por três veículos: Urbano, Executivo e a novidade Limousine – que traz um ambiente interno bastante sofisticado. O que todas as versões têm em comum é o amplo espaço interno, muito mais aparente em relação aos modelos anteriores.
“A tendência é que os veículos, mesmo aqueles direcionados para o segmento urbano, sejam desenvolvidos com as mesmas características da linha de turismo que possuem mais conforto e comodidade para o usuário. O empresário de transporte urbano está percebendo que isso valoriza o seu negócio”, acredita Roberto Poloni, gerente de engenharia da Volare.
A linha W Fly possui duas opções de motorização: W9 da Agrale e DW9 da Mercedes-Benz. O W9 tem motor eletrônico Euro 3, Acteon 4.12 TCE, da marca MWM International, de 150 cv a 56,1 mkgf de torque. Já a versão DW9 equipa motor Mercedes-Benz OM 904 - LA, também de 150 cv de potência, porém, com o torque um pouco superior, 59,9 mkgf.
Ambas composições possuem freios a ar, o câmbio mecânico de 5 velocidades, direção hidráulica da marca ZF modelo Servocom 8090 e suspensão com molas parabólicas/semielípticas com amortecedores telescópicos de dupla ação.
Outra importante característica desses novos veículos é o apelo sustentável que carregam. Algumas peças que eram produzidas em fibra de vidro agora são fabricadas de plásticos, podendo ser recicláveis, além de oferecer melhor segurança passiva – a exemplo disso são os para-choques, para-lamas, laterais e capô dianteiro, que absorvem melhor a energia. O material também foi adotado no painel de instrumentos, paredes de separação e nos revestimentos internos do veículo. Além disso, o micro-ônibus está mais leve até pelo fato de os engenheiros da Volare terem introduzido liga de alumínio em algumas peças, o que colabora para o menor consumo de combustível. “São conceitos dos automóveis que trouxemos para os ônibus e que o mercado tende a valoirizar mais e mais”, completa Poloni.
Vale ressaltar que se a Euro 5 chegar, como prevê a lei em 2012, esses veículos não terão necessidade de adaptações na sua forma construtiva, pois suas dimensões já estão preparadas para receber o tanque de ureia (que será colocado dentro do espaço onde está instalada a caixa de baterias) e o motor para atender a nova emissão.
O regulamento 316 prevê, em 2014, o teste de tombamento, algo que a plataforma da Marcopolo já faz em seus testes internos. “Mas se passar a ser lei, também já estamos aptos para atender”, salienta o engenheiro. 
Estar a bordo de um W Fly também é prazeroso, isso porque o desenvolvimento dos detalhes teve como ponto de partida a melhor ergonomia e a segurança para os passageiros e o motorista. Graças ao desenho externo foi possível ampliar a largura do para-brisa e dos vidros laterais sem aumentar as suas dimensões externas. E por falar em vidros laterais, eles estão maiores e curvos, em vez de planos, como eram anteriormente. O objetivo é oferecer mais comodidade aos passageiros, sobretudo aos usuários dos modelos Executivos e Limousine, que terão uma visão externa ampliada.
O veículo, na versão W9, também recebeu mudanças no assoalho, com redução da altura de 75 mm do piso em relação ao solo. O rebaixamento da longarina teve como benefício a facilidade de acesso, possibilitando reduzir degraus.
O redimensionamento do salão rendeu uma maior amplitude, como por exemplo a maior altura interna, rendendo janelas mais altas em 200 mm e maior área de circulação no corredor central.
Um item do micro-ônibus que foi desenvolvido para ampliar o espaço interno é a parede de separação da cabine do motorista e salão de passageiros. Também produzida em plástico, é mais leve e, por ter porta deslizante, tornou-se também mais prática para abertura, além de não interferir na área dos passageiros. Graças a isso, o salão ganhou mais duas poltronas.
Os modelos receberam volante escamoteável e com regulagem, dando ao motorista mais facilidade de acesso. O piso da cabine produzido em peça única sem perfis de acabamento reduziu o nível acústico, e para a fabricante rendeu em uma montagem mais rápida do veículo na linha de produção.
Dentro do conceito de praticidade, o capô é novo e conta com acionador embaixo do painel de instrumentos e, por seu ângulo ser de maior abertura, o acesso para fazer algum serviço de reparação ficou mais fácil.
Por fora, os W Fly contarão com três versões de portas: em duas folhas pivotadas, no Urbano, com vão-livre de 800 mm na traseira e de 950 mm, na dianteira; e pantográfica para as versões Executivo e Limousine, com vão-livre de 700 mm.
O porta-malas possui revestimento de plástico, substituindo a anterior em alumínio, colaborando para a redução de peso e para o isolamento termoacústico.
NOTÍCIA ANTERIOR PRÓXIMA NOTÍCIA