Vídeos mostram bando com armas de guerra roubando caminhões no RJ

Imagens que fazem parte de uma investigação da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) revelam que bandidos usaram armas de guerra, capuzes e até luvas para roubar dois caminhões carregados de cigarros e bebidas no Arco Metropolitano, em Japeri, na Baixada Fluminense.
Nas duas investidas, que ocorreram e fevereiro e maio últimos , três vigilantes que escoltavam os veículos de carga foram fuzilados e mortos.
Dois motoristas e dois ajudantes foram feitos reféns e obrigados a ajudar a descarregar o produto do roubo. A polícia identificou e pediu a prisão preventiva de pelo menos 22 pessoas que participaram das duas ações.
O grupo é do Complexo da Pedreira e usava o Bairro do Guandu, em Japeri, como base para realizar os ataques, em um trecho de cinco quilômetros da via expressa, que corta o município e liga Itaguaí a Duque de Caxias. Segundo a polícia, dois homens da quadrilha já estão presos, e um terceiro morreu em uma troca de tiros.
— Todos os que ainda não foram presos já são considerados foragidos, já que tiveram a prisão temporária decretada — disse o delegado Giniton Lages, da DHBF.
O primeiro roubo ocorreu dia 17 de fevereiro, na altura do quilômetro 83, na pista sentido Itaguaí, e durou 33 minutos. Imagens de cãmeras de segurança mostram toda a ação da quadrilha. Às 9h06m, o motorista e dois ajudantes da carreta de cigarros escutam os primeiros tiros. Apavorados eles tentam se proteger dentro do veículo em movimento. Enquanto isso, pelo menos oito bandidos, que ocupavam um Jetta e um Corolla, disparavam tiros de fuzis contra dois veículos que escoltavam o caminhão.
Sem chance de defesa, o vigilante Yago Aguiar Santana, que estava num dos carros da escolta, foi fuzilado e morto. Seu parceiro, Jones de Souza Silva se jogou no chão e escapou das balas. O outro veículo da escolta se dispersou do local em meio ao tiroteio. Câmeras de segurança mostram que os bandidos obrigaram o motorista seguir em frente e acessar um retorno. Em seguida, o veículo nde carga entra numa estrada de terra que dá acesso ao Guandu, onde mais homens armados de fuzis e com capuzes, já aguardavam a chegada da carreta.
Às 9h11m, o caminhão é bloqueado pelo GPs, na estrada de chão. As imagens revelam ainda que bandidos armados e encapuzados orientam a chegada de um caminhão-baú, roubado, que foi estacionado no mesmo local. Em seguida, a carga de cigarros começa a ser colocada no veículo.. Uma das câmeras mostra ainda que, às 9h20, enquanto o veículo era descarregado, um dos bandidos usando uma camisa que cobre a cabeça, deixando apenas os olhos de fora, sobe na cabine da carreta. Ele tenta ligar o veículo.
Após alguns segundos, ele desiste e desembarca. Às 9h39, os bandidos concluem o transbordo da carga roubada. Em seguida, eles liberam o motorista, que consegue se comunicar com a empresa e leva o caminhão embora.
Roubo em maio, no mesmo local, deixa dois vigilantes mortos
Imagens de câmeras de segurança mostram que uma carreta, transportando cigarros e bebidas, escoltada por dois vigilantes, cruzava o Arco Metropolitano, no dia 31 de maio, no sentido Itaguaí . Um dos responsáveis pela escolta é Jones de Souza da Silva. Sobrevivente do primeiro ataque, o vigilante não terá a mesma sorte. Pouco depois, às 8h54m, na altura do quilômetro 87, um Renault Sandero, ocupado por homens armados de fuzis, aparece no vídeo, ultrapassando o veículo de carga.
Segundo antes , eles e outros homens que ocupavam um Hyundai, metralharam a escolta da carreta. No ataque, os vigilantes Jones de Souza Benedito Charles da Silva são baleados. O primeiro morreu no local. O segundo não resistiu aos ferimentos e morreu quando era socorrido no Hospital Geral da Posse, em Nova Iguaçu.
De acordo com as imagens, entre a abordagem e o transbordo do produto roubado, o bando ficou com a carreta e o motorista por 45 minutos.
Às 8h576m, os veículos da quadrilha aparecem nas imagens do vídeo, enquanto o veículo de carga entra na estrada de chão que dá aceso ao Guandu. A exemplo do roubo executado em fevereiro, bandidos com capuzes e fuzis, também já aguardavam a chegada do caminhão. Depois, que o carreta para em um local, e o motorista é obrigado a desembarcar, um bandido entra na cabine. Em seguida, homens armados transferem a carga para um outro caminhão. O motorista e o veículo são liberados após o fim do transbordo do produto roubado. No dia seguinte, policiais militares realizaram uma operação no Guandu e recuperam a maior parte do produto roubado.

Bandido que coordenava o roubo de cargas da Pedreira participou do ataque
Um dos responsáveis pela coordenação do roubo de cargas no Morro da Quitanda, no Complexo da Pedreira, estava entre 17 homens que roubaram a carga de bebidas e cigarros, no último dia 31 de maio, no Arco Metropolitano. De acordo com o delegado Giniton Lages, Thiago Rodrigues da Silva, o TH , era um dos homens que participou do assalto. O bandido já está atrás das grades. Ele foi preso, no último dia 22 de agosto, por PMs do 41º BPM, numa operação feita na comunidade da Quitanda.
Outro que também já está atrás das grades é Rafael Leopoldino da Silva. Ele foi preso no dia primeiro d e julho, em Natal, no Rio Grande do Norte, após trocar tiros com a polícia, durante uma tentativa de roubo de um carro-forte.
Já Breno Soares Lopes, o Peludinho, também acusado de participar do mesmo ataque, está morto. Ele morreu, no último dia 30, após trocar tiros com vigilantes, durante uma tentativa de assalto a um carro forte, em Anchieta, na Zona Norte.
Segundo as investigações, o encarregado em transformar o Guandu em uma base para os bandidos da Pedreira é Breno da Silva de Souza, de 22 anos. O bandido fazia parte de uma facção criminosa rival, que em 2014, controlava o Guandu. Após ser expulso em 2015, pelo então chefe do tráfico, buscou abrigo na Pedreira.
Mas, em 2016, voltou ao local com apoio de sua nova facção e passou a controlar o Guandu. O bandido também abriu guerra com a atiga facção até controlar outras 13 comunidades com mãos de ferro. A disputa deixou um rastro de sangue, em Japeri. Por conta da guerra de facções, Breno é citado em pelo menos dez inquéritos de assassinatos que tramitam na DHBF. O Disque-Denúncia (2253-1177) oferece mil reais de recompensa por informações que levem a prisão do bandido.

Identificados por nomes e fotografias
Até agora a Polícia Civil identificou, por nomes, apelidos e fotografia, pelo menos 22 bandidos. Todos tiveram as prisões temporárias decretadas. Os que foram identificados nominalmente são: Jairo Rodrigues Alves, Breno da Silva de Souza, Luiz André Lopes de Oliveira, Alex da Conceição, Leilson Lima da Costa e Thiago Rodrigues da Silva, o TH. Também foram identificados por nomes Geonário Fernandes Pereira Moreno, Rafael Leopoldino da Silva e Breno Soares Lopes.
Foram identificados por apelidos e fotografias : Queixinho, Cara de mulher, Russão, Paibinho, Menorzinho, Matuto, Bigodinho, Alanzinho e LC da Beira Rio. Também foram identificados nas mesmas circustâncias Teteu, Cebola, Terrível e De cinco.
FONTE: Extra 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário