Preso grupo suspeito de roubar mais de 700 pneus e rodas de caminhões em 4 estados

Seis homens foram presos suspeitos de integrar uma quadrilha especializada e já terem roubado cerca de 700 pneus e rodas de caminhões em Goiás e mais três estados. Segundos as investigações, mais de 50 caminhoneiros foram vítimas do grupo. O material subtraído era revendido ilegalmente ou trocados por carros de luxo. Duas pessoas ainda estão foragidas.
Os presos foram apresentados nesta terça-feira (16). As prisões foram frutos da operação denominada "Corsários do Asfalto", realizada em conjunto entre a Polícia Civil e a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Os mandados foram cumpridos em Goiânia, Anápolis e Goianésia.
O inspetor da PRF Vinícius Veiga informou que a investigação começou no início deste ano. Além de Goiás, o grupo também agia nos estados de Tocantins, Mato Grosso e Maranhão.
"Eles faziam em média dois roubos por semana. Parte da quadrilha ia até postos de combustíveis à noite, identificava os caminhões com melhores pneus, rendiam os motoristas e levavam o veículo até uma estrada vicinal, onde retiravam as rodas e deixavam a vítima amarrada", explicou Veiga.
Depois do crime, o material era levado para um galpão em Goianésia onde eram revendidos. "Nesse local, a quadrilha fazia o tratamento das rodas, retirando marcas que empresas colocam, e fazendo a limpeza para repassar a lojas", disse o delegado Marco Antônio Maia, que também atuou na ação.
Segundo a polícia, os itens roubados não ficavam mais de dois dias com o grupo e cada remessa de venda envolvia de 30 a 60 pneus. Havia uma divisão coordenada de tarefas dentro da organização criminosa. "Dos presos, três roubavam, um fazia a distribuição do material roubado e outros dois, compravam. Os dois foragidos atuavam nos roubos", explicou Maia.

Carros de luxo
Com a quadrilha, também foram apreendidos armas, um caminhão usado para transportar as peças e sete carros de luxo. Conforme as investigações, os veículos de alto padrão eram trocados por pneus pelo grupo criminoso.
"Um dos integrantes era especialista nesse negócio. Depois, ele revendia esses veículos por preço abaixo do mercado, para fazer dinheiro rápido, movimentando outras modalidades de crime", informou o inspetor da PRF Vinícius Veiga.
A apuração apontou que cada conjunto de roda com pneu era revendido entre R$ 500 e R$ 1,5 mil. No mercado, esses itens chegam a custar até R$ 3 mil.
FONTE: G1 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário