Programa de crédito do BNDES a caminhoneiros está parado

Um programa de crédito criado pelo BNDES em meio a um pacote de medidas do governo de Jair Bolsonaro para acalmar ameaças de greve de caminhoneiros está praticamente parado, segundo informações apuradas pela Reuters e confirmadas pela instituição de fomento.

O programa BNDES Crédito Caminhoneiro, voltado à concessão de empréstimos para manutenção de caminhões e lançado em abril, realizou até agora apenas uma operação de 20 mil reais, apesar da dotação orçamentária de 500 milhões de reais.

Procurado pela Reuters, o BNDES informou que a linha de crédito está em operação desde 27 de maio e tem prazo até 26 de maio de 2020.

“O banco tem recebido informações dos clientes sobre a dificuldade de acesso à linha e, por essa razão, está em contato com os agentes financeiros para entender dificuldades e o que pode ser feito para atender melhor ao público final”, afirmou o BNDES em comunicado.

A única linha de crédito concedida pelo BNDES no âmbito do programa foi para a Agência de Fomento do Paraná, que tinha como objetivo o repasse dos recursos, segundo o banco.

O repasse de recursos da linha, de até 30 mil por caminhoneiro, é feito por agentes parceiros do BNDES, como bancos de varejo. Ao todo, 46 instituições financeiras são parceiras do banco no programa.


O limite de crédito por caminhoneiro tem sido uma das reclamações dos motoristas. O ex-presidente do BNDES Joaquim Levy chegou a cogitar a possibilidade de ampliar o orçamento do programa para 1 bilhão de reais se houvesse demanda.

“São vários os motivos para o programa não ter praticamente saído do papel”, disse José Roberto Stringasci, diretor da Associação Nacional de Transporte no Brasil (ANTB).

“A economia está parada e só agora a safra de grãos começou a circular. Os caminhoneiros também estão muito endividados e têm que resolver isso. O programa do BNDES também é caro e os caminhoneiros que foram nos bancos ouviram que é mais barato contratar um crédito direto e particular. O limite de 30 mil reais por operação também é baixo porque só um pneu de um caminhão custa 2 mil reais e tem caminhão rodando com vários eixos”, acrescentou.

O programa foi lançado junto com uma promessa do governo de investimento de 2 bilhões de reais, incluindo na conclusão de obras e manutenção de rodovias e eixos viários importantes. Na ocasião, entidades que representam os caminhoneiros autônomos criticaram as medidas ao afirmarem que não resolvem a principal demanda da categoria: o estabelecimento do piso mínimo de fretes e seu cumprimento pelos contratantes de transporte de carga.
FONTE: Reuters

Postar um comentário

5 Comentários

  1. o problema também meus caros, é que a maioria dos caminhoneiros está com o nome sujo na praça, caso contrário comprariam pneus ou peças no cartão de crédito. O BNDES pesquisa até a vida pregressa da quinta geração antepassada do solicitante e caso algum antepassado tenha escovado os dentes de forma errada o crédito é recusado! simples assim. Crédito caro e de difícil acesso para quem tem baixa renda. Se fosse uma JBS ou um figurão da política dono de transportadora (e diga-se de passagem, tem muitos) o crédito seria liberado sem maiores delongas. Entendeu a diferença?

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente com as palavras do eduardo machado

    ResponderExcluir
  3. O bndes tem que ver os agentes operadores desse credito, que colocam dificuldade para oferecer seus creditos caros, mais para os grandes comprarem 200,300,400 caminhoes o crrdito é aprovado no mesmo dia comm 100%,é isso que esta acontecendo, nada mudou no novo governo, e olha q votei pra ele.

    ResponderExcluir
  4. O trabalhador esta parado porque ja queimou todas as cartas que tinha e está endividado e com o nome sujo e com isso não consegue o empréstimo. Esse programa foi só pra fazer graça na imprensa. Queremos resultados reais, resultados que tragam soluções de verdade e não gracinhas pra colocar a imprensa e a população contra os caminhoneiros.

    ResponderExcluir
  5. As Grandes transportadoras engolem os autônomos,porque têm patrimônio,tem fornecedores e clientes e fazem essesbnegocios milionários,porque para elas sempre compensa.Sabiam que uma transportadora de médio porte,me parece ,têm a depreciação do valor do caminhão, abatido do imposto de renda?Não perdem nada.Usam o caminhão 03,04,ou 05 anos e vendem praticamente pelo preço que lhes custou.Brasil,onde todos somos índios,só que,usamos calças.

    ResponderExcluir

Nunca publique suas informações pessoais, como por exemplo, números de telefone, endereço, currículo etc. Propagandas, desrespeito ou ofensas não serão toleradas nos comentários.