Fiscalização de amarração de cargas começa em janeiro de 2018. Sua empresa está pronta?

Como é, ou devia ser, de conhecimento de todos que prestam serviços de transporte rodoviário de cargas e de acordo com o Art. 12 da Resolução do Contran  Nº 552, de 17 de setembro de 2015, os veículos fabricados ou encarroçados até 31 de dezembro de 2016 deverão, a partir de 1º de janeiro de 2018 cumprir e estarem aptos a cumprir todos os requisitos mínimos de segurança para amarração das cargas.



A amarração correta da carga ao veículo de transporte é sem sobra de dúvida um requisito de segurança imprescindível no transporte rodoviário de cargas.
Isso pressupõe que as cargas estejam fixadas de modo a prevenir movimentos relativos durante todas as condições de operação esperadas durante a viagem, como por exemplo: manobras evasivas, curvas e frenagens.
O sistema de amarração da carga deve ser suficientemente eficiente para impedir que a carga seja arremessada para fora do veículo ou ainda para impedir qualquer deslocamento que provoque alterações na distribuição de pesos no veículo ou afete a sua estabilidade.
As boas técnicas de transporte, todas previstas e detalhadas na Resolução 552/15, indicam que a carga deve estar ancorada no veículo e que essa ancoragem deve ser capaz de suportar as seguintes forças, em uma condição normal de pista e velocidade:
- Para frente: 80% a 100% do peso da carga;
- Para as laterais e traseira: 50% do peso;
- Para cima: 20% do peso.* (+ no Brasil!)

FORÇAS ENVOLVIDAS
MÉTODOS DE FIXAÇÃO DE CARGA
Principais métodos de amarração da carga em veículos:
a) Fixação Envolvente (tie-down): onde o objeto é forçado contra o piso do veículo, aumentando sua capacidade restritiva através do aumento da força de atrito entre as superfícies;
b) Fixação Direta em contenedores específicos, que retem a carga diretamente em suas estruturas, como carroceria basculante, tanque, etc;
c) Fixação Direta através de bloqueadores da própria carroceria do veículo, como painel dianteiro, painel traseiro e grades laterais;
d) Fixação Direta através de dispositivos de fixação, como correntes, cabos de aço, cordas, cintas de nylon, locks de conteiner, onde a amarração da carga é feita diretamente na estrutura do veículo ou de sua carroceria.
O peso próprio da carga pode colaborar com a força necessária através do atrito com o piso da carroceria. Essa técnica está presente no sistema de fixação envolvente (tie-down). A força de atrito é proporcional ao peso e ao coeficiente de atrito entre o piso e a carga, conforme equação:
FORÇAS DE ATRITO
O peso próprio da carga pode colaborar com a força necessária através do atrito com o piso da carroceria. Essa técnica está presente no sistema de fixação envolvente (tie-down). A força de atrito é proporcional ao peso e ao coeficiente de atrito entre o piso e a carga, conforme equação:
No sistema de fixação Envolvente: a Força Normal “N” é a soma do peso da carga (NW) + a força de retenção (NL) proporcionada pelo sistema de amarração, que puxa a carga contra a carroceria.
Portanto: N = NW + NL
A força de retenção NL dependerá do ângulo de aplicação do sistema de fixação conforme ilustrado.
A outra variável da equação é o coeficiente de atrito entre as duas superfícies.
Alguns valores do coeficiente de atrito estão na Tabela 1:
Por exemplo, para o contato aço liso - madeira podemos considerar como coeficiente de atrito 0,4. Já no caso do contato metal-metal com a presença de óleo ou graxa entre as superfícies o coeficiente pode ser tão baixo quanto 0,01.
No sistema Fixação Direta através de dispositivos de fixação, a diferença entre a força necessária para ancoragem e a força de atrito da carga com o piso, deve ser adicionada pelo sistema de fixação.
Por exemplo: para transportar uma máquina de peso W=50 tons de forma segura, é preciso uma capacidade de contenção lateral de 0.5x50 = 25 tons. A força de atrito (para metal-madeira) com o próprio peso da máquina fornecerá: 0.4x50 tons = 20 tons.
Portanto, o sistema de amarração deverá suprir o sistema em 25 – 20 = 5 tons, distribuídas pelas correntes, cintas ou cabos existentes. (obs.: deve ser considerado o ângulo de atuação da amarração para verificar sua real capacidade de contenção).
Já no caso de piso com chapa de aço, o coeficiente de atrito (metal-metal molhado), pode ser de apenas 0,1. Nesse caso o peso próprio forneceria apenas 5 tons (0,1x50) de força de atrito. O restante para as 25 toneladas necessárias teria que ser fornecido pelo sistema de contenção lateral.

ACIDENTE NO ESPÍRITO SANTO
Como se pode depreender de tudo quanto foi dito acima o tema amarração de cargas é um tema extremamente importante pelo seu potencial de risco, de causar verdadeiras tragédias, como a do último dia 10 de setembro no Espírito Santo em que onze pessoas morreram e nove ficaram feridas e que levou, inclusive, à prisão do proprietário da transportadora, por, dentre outras razões, o veículo não estar adequadamente equipado para o transporte de chapas de granito, além da constatação de excesso de velocidade e de falta de capacitação do motorista.

E A SUA EMPRESA JÁ COMEÇOU A SE PREPARAR PARA O CORRETO ATENDIMENTO À LEGISLAÇÃO?
NÃO! Então não perca mais tempo e comece a verificar se os seus veículos estão equipados de acordo com a norma e se seus motoristas já estão habilitados para as exigências da Resolução 552/15 do Contran, mas também de outras muito importantes como a 354/10 e a 168/84.
FONTE: Guia do TRC 

 Receba por Email

Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário