Venda de caminhão é a pior em 11 anos

As vendas de caminhões tiveram o pior resultado em 11 anos. Entre janeiro e julho foram emplacadas 26 mil unidades no País, volume 14,1% menor do que em igual período do ano passado (30,3 mil) e metade do comercializado em 2007 (53,2 mil). Os dados são da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores).
O setor tem sido fortemente atingido pela crise na economia e alta no desemprego, que geram demanda menor por mercadorias e serviços e reduzem a necessidade de caminhões. Embora não seja possível separar os pesados por tipo, sabe-se que parcela importante é de caminhões-cegonha, utilizados para o transporte de automóveis, e que sofrem efeito direto da queda no licenciamento desses veículos. Tanto que o número de cegonheiros que atuam no ramo no Grande ABC enxugou 28% em dois anos, ao passar dos cerca de 5.000 – quando haviam sido vendidos 43,8 mil caminhões – para 3.600.
“Não tem jeito, o impacto é imediato, as cegonheiras foram concebidas especificamente para isso (transporte de carros)”, afirmou o presidente do Sinaceg (Sindicato Nacional dos Cegonheiros), Jaime Ferreira dos Santos.
Apesar de o cenário estar longe do ideal projetado pelos representantes do setor, a expectativa é a de que o panorama comece a mudar com os números recentes. Segundo a Anfavea, as vendas de automóveis cresceram 3,4% no acumulado deste ano em comparação a 2016, passando de 1,16 milhão para 1,20 milhão de unidades. “Não há dúvida de que o desempenho de 2017 será melhor que os de 2015 e 2016”, avaliou o diretor do sindicato Marcos Galdino.
Para o diretor regional da De Nigris, concessionária de caminhões da Mercedes Benz, Carmo Pizzotti, além dos tímidos sinais de recuperação do segmento, o empresariado está começando a renovar as frotas. “O Brasil é movido a caminhões e, em certo momento, se faz necessário trocá-los por novos modelos, visando o futuro.”
FEIRA 
Entre os dias 21 e 23 de setembro, o Sinaceg vai promover a 19ª edição Expo de Transportes do ABCD no Pavilhão Vera Cruz, em São Bernardo. O evento contará com mais de 30 empresas, que vão mostrar as principais novidades das montadoras e tecnologias dos setores de autopeças e das transportadoras. Ao todo, 14 expositores são da região, como Codema (Scania), De Nigris, Tegma, Transzero, Brazul e Cooperceg. “Nosso objetivo é aumentar entre 20% e 30% o fluxo de pessoas”, comentou Santos. Ano passado, cerca de 30 mil pessoas estiverem nos três dias de feira. “Esperamos incrementar o faturamento em 10%”, complementou Galdino. Em 2016, os participantes do evento registraram R$ 105 milhões em negócios.
“Tivemos quedas entre 10% e 15% nos últimos dois ou três anos. Já para este ano, acreditamos em alta de 3% a 4%”, estimou Pizzotti.
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário