SC tem média de um roubo de carga de caminhão a cada dois dias

Santa Catarina tem, em média, um roubo de carga de caminhão a cada dois dias. Neste ano, mais de 120 caminhoneiros foram assaltados enquanto trabalhavam. Para tentar diminuir esses números, tramita na Assembleia Legislativa do estado (Alesc) em projeto de lei para punir empresas que recebam ou vendam produtos roubados de caminhões, como mostrou o RBS Notícias desta segunda-feira (31).
O índice de roubos a carga no estado mais do que triplicou nos últimos 10 anos. Em 2008, foram 69 casos. No ano passado, foram 258. Os criminosos geralmente escolhem cargas como cobre, bebidas e eletrodomésticos.
Em Agrolândia, no Vale do Itajaí, houve um flagrante. Depois de acompanhar os suspeitos por mais de 1,5 mil quilômetros, a Polícia Civil conseguiu recuperar uma carga que tinha sido roubada no mês de maio.
O caminhão estava carregado com 12 toneladas de mel puro. A quadrilha, que agia na região de Joinville, no Norte, foi desarticulada.
Tecnologia e projeto de lei
Um dos sindicatos que representa as transportadoras diz que as empresas tentam se proteger, com tecnologia e treinamento. "É uma briga de gato e rato. As empresas de tecnologia montam os equipamentos e a indústria do crime tenta burlá-los com uma tecnologia sempre com uma pronta-resposta", afirmou o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas da Região de Florianópolis (Sindicargas), Ruy Gobbi.
Na Federação das Empresas de Transporte de Carga e Logística no Estado de Santa Catarina (Fetrancesc), o assunto segurança está presente em todas as reuniões. O projeto de lei que tramita na Alesc pede a cassação do registro de empresas que receberem ou venderem mercadorias cargas roubadas.
"O roubo só existe porque há o receptador. Então, toda carga roubada já tem a encomenda de alguém que faz a receptação. Com o projeto de lei aprovado, nós vamos inibir bastante esse tipo de crime", afirmou o presidente da Fetrancesc, Ari Rabaiolli.
FONTE: G1 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário