Paralisação de caminhoneiros: Oito estados registraram manifestações no primeiro dia

Caminhoneiros de diferente regiões do país deram início nessa terça-feira, 1º de agosto, há uma grande paralisação do transporte rodoviário de cargas contra o aumento de impostos sobre os combustíveis, colocado em prática na última semana pelo governo federal. 
Além do protesto contra a decisão do governo, a categoria reivindica ainda o tabelamento mínimo do frete, aposentadoria especial e mais segurança nas estradas, reivindicações essas recorrentes de protestos anteriores. 
De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) foram registrados protestos em oito estados, São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e Espírito Santo. “Na maior parte das interdições os caminhoneiros em deslocamento são convidados a participar. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) continua monitorando possíveis pontos de bloqueio e em tratativas para que se restabeleça o fluxo nos pontos onde as manifestações ocorrem”, destacou a corporação em nota. 

São Paulo
O Porto de Santos está paralisado desde as 6h de hoje (1º) devido à paralisação. Apenas os caminhões que já estavam dentro do porto conseguiram sair, segundo informações do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista (Sindicam). A entidade afirmou que mais de 4 mil caminhoneiros estão parados somente na região.
O trânsito também está congestionado na via Anchieta, na chegada a Santos, desde a manhã. O diretor do Sindicam, José Cícero Rodrigues Agra, disse que a paralisação continuará até as 18h, quando a movimentação dos caminhoneiros deve voltar aos poucos e ser normalizada até as 6h de amanhã.

Mato Grosso
Em Mato Grosso, manifestantes seguem no Km 683 da BR 163, em Sorriso. Apenas veículos de carga são retidos e a pista está liberada para demais veículos. A pista chegou a ser liberada às 9h30, mas voltou a ser ocupada às 11h30.
As manifestações ocorrem também em Barra do Garças, no Km 5 da BR 070, também apenas para veículos de carga. Os manifestantes chegaram a atear fogo na pista, mas a estrada já está desobstruída. O ato ocorre desde as 5h.
Houve registro de manifestação, sem fechamento de estrada na BR 163, Km 746, em Lucas do Rio Verde. Está prevista, segundo a PRF no estado, manifestação em Rondonópolis, na BR 163, entroncamento com a BR 364. Mas até as 15h30, não havia registro de movimentação no local.
Minas Gerais
Em Minas Gerais, os protestos ocorrem desde a noite de ontem (31). De acordo com a PRF, os protestos seguem em apenas um trecho, na BR 040, Km 602, próximo a Ouro Preto. Os caminhões que passam pelo trecho estão sendo retidos, mas ônibus e carros estão passando normalmente.
Em alguns trechos, os protestos se concentraram na parte da manhã e já foram encerrados. Na BR 381, Km 361, próximo a João Monlevade, as manifestações começaram por volta da 0h e a via foi liberada às 14h50. Na BR 050, Km 81, próximo a Uberlândia, as manifestações começaram às 23h50 e terminaram menos de duas horas depois, ainda de madrugada, de acordo com a PRF. Na BR 040, Km 45, próximo a Paracatu, as manifestações começaram por volta de 8h e terminaram às 10h25.
Além dos protestos nas rodovias mineiras, o transportadores de combustíveis aderiram a paralisação por meio de um protesto pacífico desde às 0h dessa terça-feira, suspendendo o transporte durante todo o dia.

LEIA: Tanqueiros de Minas Gerais vão aderir à greve nessa terça-feira

Espírito Santo
No Espírito santo, os caminhoneiros chegaram a bloquear o km 301 da BR 101, em Viana, na Grande Vitória pouco antes das 6h. Após negociações, os manifestantes ocuparam o acostamento e o fluxo foi liberado. Na tarde de hoje a pista já estava completamente liberada.

Bahia
Na Bahia, as manifestações ocorreram em quatro pontos. Até as 15h, os protestos ocorriam em apenas um deles, na BR 116, Km 523, próximo a Itatim. Não houve obstrução, uma vez que os protestos ocorrem à margem da estrada. Chegou a se formar, no entanto, um congestionamento de 5 Km, porque os motoristas reduziam a velocidade para observar o movimento.
Na BR 116, Km 420, próximo a Feira de Santana, a pista foi interditada das 8h às 10h30. Os manifestantes atearam fogo em objetos e foi necessária a limpeza da pista. Não houve nenhum tipo de conflito.
Na BR 324, Km 441, em Riachão do Jacuípe, cerca de 20 pessoas protestavam na estrada, mas não havia a participação de caminhoneiros, segundo a PRF no estado. A pista chegou a ser bloqueada às 8h, mas foi  liberada às 12h30. No Km 276 da BR 116, próximo a Tucano, a pista não foi interdidata, já que as manifestações ocorreram às margens da BR, entre 8h e 12h30.

Santa Catarina
A rodovia BR 116 foi fechada, no Km 133, na altura do município de Santa Cecília, na serra catarinense. Às 5h da manhã, a pista foi bloqueada para caminhões nos dois sentidos. Carros e ambulâncias estão passando normalmente pelo bloqueio. Por volta das 15h30, a pista foi liberada. Os manifestantes deverão, segundo a PRF, ocupar novamente a via às 17h.
Algumas horas depois do bloqueio em Santa Cecília, na BR 116, km 245, em Lages também ocorreu manifestação, mas sem bloqueio da via. Os caminhoneiros que passam pelo local estão sendo convidados a parar.
Outro bloqueio foi registrado no litoral norte catarinense, na BR 101, no município de Itajaí e na BR 470, Km 140, em Rio do Sul. A manifestação é sem bloqueios, apenas com a colocação de faixas.

Rio Grande do Sul e Goiás
Também em nota, a PRF informou que até as 15h30, as manifestações ocorriam no Rio Grande do Sul em Cristal (BR 116), em Rio Grande (BR 392), em Carazinho (BR 295), em Palmeira dos Índios RS (BR 468) e em Ijuí (BR 285). Em Goiás, ocorrem protestos em Aparecida de Goiânia (BR 153) e em Rio Verde Goiás (BR 452).

Apesar do número inferior de bloqueios em relação ao que vinha sendo divulgado, a expectativa é de que nos próximos dias a manifestação ganhe força nesses estados e nos demais que não aderiram nessa terça-feira. 
Até o momento o Governo Federal não se pronunciou sobre as paralisações e suas respectivas reivindicações. 

TEXTO: Lucas Duarte
Com informações: Agência Brasil 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário