Levantamento aponta grave defasagem no frete

A NTC&Logística divulgou ontem (4) durante o Conselho Nacional de Estudos em Transporte, Custos, Tarifas e Mercado (CONET), ocorrido em Bento Gonçalves (RS), os resultados de uma pesquisa com empresas do segmento. Os números obtidos são alarmantes e indicam claramente como o setor de transporte de cargas foi afetado pela atual crise econômica brasileira. 
Freada da economia doméstica, perda do grau de investimento, juros altos, crise política, impeachment da presidente em curso e desvalorização da moeda brasileira criaram um cenário de grande incerteza e dificultaram a tomada de decisões do setor produtivo. E o setor de transporte rodoviário de carga não ficou imune a este cenário.
O levantamento feito pela NTC revela que 77% das empresas do setor tiveram queda no faturamento no primeiro semestre de 2016. Essa queda é resultado dos descontos nominais concedidos no frete neste período, que alcançaram 2,6% (real 10,4%) e do menor volume de carga transportado que caiu em média 12,5%. A NTC constatou ainda que 86% das transportadoras enfrentam o problema do atraso no recebimento dos fretes. A consequência direta é a constatação de que 65% das empresas tem caminhões parados, atingindo 11% da frota.
A NTC alerta que a solução para os números apresentados não é a redução do valor do frete, segundo a entidade essa atitude já resultou no fechamento de transportadoras com terminais lotados de carga. O presidente da NTC, José Hélio Fernandes, comenta, Observamos pela pesquisa que grande parte dos entrevistados manteve ou deu desconto no frete, que já sabemos ser defasado, e apenas 19% conseguiram o reajuste. Segundo o levantamento há uma defasagem a ser eliminada entre o frete cobrado e os custos de transporte apurados pela NTC, que atingiu em julho, 9,81% no transporte de cargas fracionadas e 22,9% no transporte de cargas fechadas (lotações).
Diante dos números apresentados a NTC orienta, "aquelas empresas que não ajustaram seus preços aos novos custos devem fazê-lo o mais rápido possível, antes que os mesmos agravem de forma irreversível as suas finanças e comprometam o seu futuro"
A entidade ressalta ainda que a melhora efetiva das expectativas requer a aprovação e a implantação de uma série de reformas institucionais, o que depende de complexas e difíceis negociações políticas entre Executivo e Legislativo. Mas que a perspectiva de ter um novo presidente, após a interinidade, parece ter estabelecido um piso para a queda da economia e, tudo leva a crer que em 2017 haverá uma recuperação. 

TEXTO: Lucas Duarte
Blog Caminhões e Carretas 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

  1. Michel Temer é só mais um chupim que se aproveitou da crise política para tomar o lugar da Dilma e continuar com Foro Privilegiado porque também roubou, e além disso defendeu o ladrão do Cunha até o último recurso antes do safado renunciar para continuar tendo direito de disputar eleição. FORA TEMER! É tudo ladrão, tudo farinha do mesmo saco. A única saída é a volta do Governo Militar. Os generais das Forças Armadas e os soldados da Nação precisam decidir por intervenção militar antes que isso aqui vire uma Venezuela!

    ResponderExcluir
  2. Os Transportadores, sejam autônomos ou frotistas, em sua maioria, estão sendo muito otários mesmo! Como é que eles acham que vão sobreviver no mercado se não se associarem para aumentar o preço dos seus fretes de acordo com a maldita inflação que assola a economia do país? Se todos pensarem em aumentar os embarcadores mão-de-vaca vão ser obrigados a ceder e desembolsar mais dinheiro pelos transportes das cargas.

    ResponderExcluir