Drogas estão cada vez mais presentes nas estradas

Diversos estudos realizados no Brasil mostram ao longo dos anos que o uso de drogas por motoristas profissionais prejudicam o desempenho no volante, causando acidentes graves e mortes. Segundo a Associação Brasileira de Medicina de Trânsito, as drogas agem no sistema nervoso central do motorista, alterando a concentração, coordenação motora e percepção.
O motivo do uso das substâncias é a necessidade de se manter acordado por muito tempo, visando trabalhar de uma maneira mais rápida. Este pensamento é crucial para a saúde dos motoristas, colocando em risco a própria vida e a vida de outras pessoas.
Em 2010, um estudo feito nas 27 capitais brasileiras avaliou o uso de álcool e drogas por motoristas profissionais e particulares. 3.398 pessoas tiveram sua saliva coletada e analisada, mostrando que 4,6% (150 pessoas) haviam consumido drogas como cocaína (2,1%), cannabis (1,5%), anfetamínicos e benzodiazepínicos (1%).
Entre 2008 a 2011, outro estudo analisou a urina de 993 motoristas brasileiros. 5,4% usavam anfetaminas, 2,6% usavam cocaína e 1,0% usava cannabis – concluindo que quanto mais longa a viagem, mais anfetaminas eram usadas.

O que estas substâncias causam?
Anfetaminas: sensação de bem-estar e disposição, também causam alucinações, delírios, convulsões, fadiga, torpor, sonolência e inibição mental.
Cocaína: estimulante que causa euforia. Parece melhorar a disposição do motorista, mas causa nervosismo, irritabilidade, agressividade, paranoia e alucinações, causando perda do controle do veículo, colisões, direção agressiva e desatenta.
Cannabis (maconha): relaxamento dos membros e euforia. Prejudica a condução de um veículo porque compromete a memória, atenção, tempo de reação, capacidade de aprendizado, coordenação motora, percepção de profundidade, visão periférica, percepção de tempo e detecção de sinais.

Exames toxicológicos
A Lei 13.103 exige os exames para prevenir e diminuir o índice de acidentes e mortes nas estradas. Os exames servem para detectar no corpo a presença de drogas consumidas até 90 dias antes do teste, melhorando a confiança entre a empresa e seus motoristas.
FONTE: Na Boléia 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

4 comentários:

  1. sempre nas estradas deveriam estudar como essa droga chega com tanta facilidade se eles fizessem um estudo por exemplo nas faculdades esses numeros seriam bem maiores agora ficam sempre querendo culpar os caminhoneiros

    ResponderExcluir
  2. Faltou estudo nos motoristas de veículos menores, dos atores de novela da globo e record, dos repórteres.
    A droga está em todo lugar, nas nossas ruas, nos vizinhos de casa.
    Isso é um problema da sociedade, e não só dos caminhoneiros.

    ResponderExcluir
  3. Se caminhoneiro é tão perigoso assim, pq não acabar com essa profissão no Brasil?

    ResponderExcluir