Caminhoneiros temem assaltos nas rodovias do Pará

Um assalto a um caminhão carregado com 51 toneladas de milho no dia 19 de julho na Serra do Caracol, no KM 130 do distrito de Miritituba, no município de Trairão, foi registrado na 16ª Seccional de Polícia Civil em Santarém, oeste do Pará, na quarta-feira (20).
Segundo o Boletim de Ocorrências (B.O.) da vítima, Wagner Vieira,  dois homens armados entraram no veículo, anunciaram o assalto e pediram para o motorista dirigir até um determinado local, onde o colocaram no porta-malas de um carro. O homem foi deixado próximo da cidade de Belterra. A dupla roubou o caminhão e a carga estimada em R$ 35 mil, além de roupas e documentos, que ainda não foram localizados.
De acordo com delegado da Polícia Civil, José Kleydson Castro, algumas medidas de segurança poderiam dificultar a ação dos bandidos. "Alguns mecanismos de segurança do veículo deveriam estar acionados, como as travas nas portas. A gente percebeu que para eles adentarem no caminhão a porta não estava travada. Muitas empresas utilizam os dispositivos de rastreamento nesses caminhões”, enfatizou. O caso vai ser encaminhado para o delegado responsável pela circunscrição do município de Trairão.
Este crime deixou em alerta os profissionais que trabalham nesse ramo, pois eles sabem que nas vias os perigos são constantes.  Ao longo das estradas, há pontos estratégicos onde os motoristas param para descansar. Segundo os caminhoneiros, os assaltantes montam estratégias, pois já sabem os materiais que estão nos caminhões.  “Eu paro mais cedo de rodar, não só pela minha saúde, mas também pelo índice de assalto que está tendo nas rodovias, que são precárias. Apesar dos carros serem novos eles podem quebrar também, bater em um buraco, aí você tem que parar para fazer manutenção e pode chegar algum delinquente e fazer algo com você”, contou em entrevista à TV Tapajós o caminhoneiro Cássio Almeida, que trabalha no ramo há 25 anos.
O motorista Irineu Nunes, que é caminhoneiro há 30 anos conta que já foi vítima de pequenos furtos, mas nunca foi assaltado. No entanto sabe dos perigos que o serviço tem. “Já roubaram algumas coisas como o step, mas comigo mesmo nunca mexeram. Já correram atrás de mim em São Paulo três vezes, mas Deus me guardou e nada aconteceu. Eu sei que é perigoso”.

Seguro de cargas
Alguns proprietários de empresas optam pelo seguro de cargas, uma medida que dá mais segurança no transporte dos materiais. “Há uns sessenta dias tombou um caminhão meu e a metade da carga foi saqueada. Por isso, todas as nossas cargas já são seguradas porque tanto o roubo, tombamento ou batida, a gente já tem que ter essa precaução. É preferível que faça o seguro”, afirma o representante de vendas, Milton Costa.
Para o presidente do Sindicato Rural de Santarém (Sirsan), Adriano Maraschin, este é o primeiro caso registrado no município. “Santarém é uma rota de exportação. Com este caso, vão ser tomadas providências tanto das transportadoras como poder público para que isso não aconteça novamente”.
FONTE: G1 
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. quanto mais a populaçao e desarmada pelas otoridades imcompetetes mais crescem os roubos a unica soluçao sera a populaçao se armar novamente como antigamente de modo que os bandidos pensavam dez vezes antes de assaltar um caminhao

    ResponderExcluir