Contra a circulação de bitrens

Terminou nesse final de semana uma das maiores greves de caminhoneiros que o Paraguai já registrou, ao todo foram 20 dias de paralisação que contaram com a participação de 90% dos caminhoneiros do país. 
Dentre as reivindicações destaca-se a proibição da circulação de bitrens brasileiros em terras paraguaias. Segundo o presidente da Federação dos Caminhoneiros Paraguai (FCP), Ánjel Zaracho, a circulação de bitrens brasileiros já estava em processo de regulamentação e estava prevista para começar a partir de dezembro. Os veículos sairiam do Mato Grosso do Sul carregados de soja com destino ao porto de Concepción e retornariam para o Brasil trazendo arroz e trigo. 
Segundo ele, os bitrens brasileiros representam uma concorrência desleal para os caminhoneiros paraguaios, uma vez que não há condições para competir com os transportadores brasileiros. 
A entrada de bitrens brasileiros no país poderia reduzir ainda mais o valor do frete. Valor este que também foi ponto de reivindicação na paralisação. Em conversa com líderes da paralisação, empresários firmaram o compromisso de melhorar o preço do frete nos próximos meses, devido a chegada da colheita da safra. 
Outra conquista dos caminhoneiros na paralisação foi a resolução do Ministério das Finanças que determinou a obrigatoriedade do valor negociado para o frete aparecer em notas fiscais, ou seja, além do valor negociado entre o embarcador e o caminhoneiro, o valor negociado entre o produtor e o embarcador também deverá ser descrito. O que representa mais transparência nas negociações que envolvem o transporte. 
Resumindo a greve dos caminhoneiros paraguaios teve como resultado o atendimento das reivindicações que foram apresentadas e asseguraram aos caminhoneiros importantes conquistas, além de possíveis melhorias nas condições de trabalho, no que diz respeito a concorrência e lucro. 

TEXTO: Lucas Duarte
Compartilhe no Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários: